Nota de Tradução: Traduzido por  Sørg, revisão mya e Senhor Carlos à partir do artigo publicado no site: http://metropolis.co.jp/features/body-soul/a-ropy-pastime   .

Translation Notice:  Translated by Sørg, review by mya and Senhor Carlos from the original article published on http://metropolis.co.jp/features/body-soul/a-ropy-pastime .

Desde a II Guerra Mundial, a frenética cidade de Tóquio tem tido uma base bem documentada para comparar com seus arranha-céus,  os cidadãos, apostando corridas para chegar ao céu. A rica cultura underground de Tóquio assume muitas formas bizarras e diversificadas. A cultura do Fetiche, como o S&M e cosplay, são apenas a ponta do iceberg da indústria do sexo, em que os japoneses pioneiros inventaram diversos gêneros próprios.

O Shibari  (bondage japonês)  é o exemplo perfeito. Apesar do fato da sensibilidade natural humana existente nesta arte com as  cordas, ela é muitas vezes menosprezada pela sociedade devido a suas origens fetichista.

O Artista de kinbaku do Japão  (mestre de bondage japonês) Kinoko Hajime tem estado em evidência no cenário de kinbaku  por mais de uma década, e é conhecido por suas técnicas de corda louca e de pura criatividade artística. Ele domina o campo do bondage de objetos inanimados, que envolve amarrar as coisas como carne de porco assada, estatuetas, e até mesmo Monte Fuji Sea of Trees; e cyber rope, um neo-kinbaku que aproveita luz negra e cordas coloridas fluorescentes para criar um espetáculo de luz e sombra.

Um passatempo de cordas – Mestre de Shibari Kinoko Hajime

Monte Fuji Sea of Trees: "art kinoko hajime photo:yu-ki kawamoto model:aokigahara jyukai"

Seus trabalhos não evocam apenas o erotismo, mas nostalgia, amor materno e outras sensações em meio a espectadores. O mundo de Kinoko é  como um denso nevoeiro, que transfigura o mundo, enquanto abraça-o em sua aura. Mas ninguém pode explicá-lo, assim como o próprio artista.

Um passatempo de cordas – Mestre de Shibari Kinoko Hajime

Fotógrafo: Rik Sanchez - Osaka, Japan

“Kinbaku é uma parte  dentro da filosofia shibari “, explica Hajime. “É um método de comunicação exclusiva entre as pessoas, ao passo que o shibari pode ser praticado com os objetos. No grande teatro do kinbaku as modelos são os protagonistas e os kinbakushi são apenas os atores coadjuvantes. O que o kinbakushi fazer é perceber  e então, retratar, as aspirações da modelo, o personagem do momento. Eles fazem isso usando suas mãos, que no nosso caso é a corda. Fatores como a tensão superficial, o suor, a respiração, a oscilação corporal e o pulso da modelo são informações importantes, que a corda transmite para nós. Portanto, cada pedaço de kinbaku tem sua cor original. ”

Hajime espera difundir esta filosofia e transformar a opinião da sociedade. A Corda cibernética (neo kinbaku)  foi inventada pelo artista e seus seguidores como um portão de entrada para o público em geral no mundo da corda, colocando mais ênfase no lado do entretenimento do kinbaku. É muito mais acessível para o espectador pela primeira vez. Na escuridão, o modelo aparece como uma silhueta com as cordas sensíveis a luz negra explodindo cores.

No entanto, o shibari padrão ganha muitos adeptos entre as pessoas que poderiam ter esperado algo vergonhoso e mais grotesco. Os espectadores são surpreendidos pela gentileza e sensibilidade da performance, algo que explora a complexidade das emoções humanas como base e cada vez cria algo único. Há algo mais além da destreza manual no trabalho de performance dos artistas.

“Depois que um kinbakushi obtém um certo nível de técnica é sua qualidade como ser humano que define a  sua habilidade”, diz Hajime. “A fim de compreender e expressar a natureza instantânea mais íntimos de uma modelo, você deve ser sensível e perspicaz. Naturalmente essa essência não pode ser ensinada. Assim como há sempre pessoas com quem você se dá bem  e aquelas com quem você simplesmente não se dá bem.”

Um passatempo de cordas – Mestre de Shibari Kinoko Hajime

Fotógrafo: Rik Sanchez - Osaka, Japan

Authors: Shobari Dojo Brasil

Ver fuente original del articulo